Arquivo da categoria ‘Meu Livro’

Galera, estou escrevendo um livro com a ajuda da Lee e da Flávia, o livro é sobre vampiros, mas calma, eles ainda não brilham no sol, eles morrem no sol, bem como não tenho editora ainda, eu vou liberar para vocês algumas partes, essa é uma parte do primeiro capitulo, o nome “Por trás das Sombras” é provisório, eu ainda não pensei em um nome, confesso que minha grande dificuldade é pensar em nomes de personagens e nomes de livros.

Bem, espero que gostem, comentem abaixo sobre o que acharam, se gostaram ou não, o que estão achando, para que eu possa melhora-lo cada vez mais.

Ah, se tiver algum erro de português ou escrita, peço desculpas, mas a pessoa que eu pedi para ser minha Beta não quer mais fazer, então estou procurando alguem que saiba bem português para me ajudar, pois eu tenho uma grande dificuldade de voltar a ler o livro para achar erros de digitação, porque eu sempre faço uma leitura dinâmica e passo batido alguns erros. Se alguem quiser se candidatar para me ajudar nessa correção é só falar nos comentários

Capitulo I

Eram quase 00h quando Eleanor começou a sentir fortes dores, August e os demais medicos que a acompanhavam foram chamados rapidamente, desde que Elanor ficou gravida ela tinha toda atenção necessária, principalmente após passar do quarto mes de gravidez tendo o seu bebe ainda vivo. August foi o mais depressa que pode para o quarto, ao chegar pode perceber que as dores na verdade, eram contrações, Eleanor estava em trabalho de parto e aquilo parecia consumi-la. August logo percebeu que talvez não fosse possivel salvar o bebe e Eleanor e apesar de ele conhecer os planos de Henry, ele preferia saber o que seu mestre escolheria, salvar, por isso se apressou pelo castelo a procura de Henry.

Henry em seu escritorio pensava sobre a melhor forma de encurralar a matilha de “cães”, como ele descrevia os lobisomens, que importunavam seu castelo, ele escuta uma batida apressada na porta e em seguida a entrada de August que mostrava em seu rosto uma grande preocupação, sua fala rapida indicava que algo estava acontecendo

– Milode, houveram complicações e acho que não conseguirei salvar a mãe e o bebe, como devo proceder?

Henry na mesma hora se levanta, largando tudo que estava fazendo:

– E o bebe?! Quem liga para Eleanor, o bebe deve sobreviver. August, não penso que tenha entendido a importância dessa criança. Ela é a primeira que sobreviveu por toda a gestação! Deveriam ter me convocado assim que o trabalho de parto se iniciou!

Sem esperar pela resposta de August, Henry quase o atropela e utilizando-se da sua rapidez sobre-humana percorre os corredores do castelo até a câmara onde o parto estava sendo realizado, August vai logo atrás de Henry.

– Dêm mais sangue a ela. August, me dê o punhal mais afiado. Meu rebento nascerá com vida, custe o que custar.

August sabia agora o que deveria ser feito, ele olhou para os outros vampiros que estavam lhe auxiliando e os ordena.

– Segurem-a.

Quatro vampiros se posicionam, segurando Eleanor pelos braços e pelas pernas, Eleanor começa a temer pela sua vida ao se ver sendo segurada pelos vampiros, ela começa a se debater, August olha para outro dos vampiros presentes, que entende o olhar de August e segura o seu tronco. Augusto pega um punhal de prata afiado, e com cuidado começa a cortar a pele de Eleanor, na altura de seu ventre, ele iria tirar aquela criança dali como Henry lhe ordenou.

Eram possivel nos outros comodos do castelo escutar os gritos de Eleanor, August se apressava com a operação, não por Eleanor, mas para salvar a criança, ele não queria imaginar o que ocorreria com ele caso errasse em algo e o bebe morresse. August não soube precisar quanto tempo foi necessário até conseguir abrir todo o ventro de Eleanor, assim que conseguiu uma boa abertura ele colocou a mão la dentro puxando o bebe, nesse momento Eleanor agonizava, apesar de boa a cicatrização dos vampiros, ela estava perdendo muito sangue e a prata utilizada no punhal para corta-la a enfraquecia.

August conseguiu puxar o bebe que a principio parecia morto, ele cortou o cordão umbilical e levou o bebe para o outro lado da sala, ele não sabia como agir, aquele era o primeiro bebe vampiro ele não sabia como se cuidava de um, ele agiu inicialmente como se faz um parto normal e limpou o bebe, mas o mesmo parecia não estar vivo.

– Eu preciso de sangue.

Ele tentaria todos os seus recursos, e assim que lhe entregaram uma bolsa de sangue ele derramou um pouco de sangue na boca do bebe, August olhava apreensivo quando viu o bebe mexer a boca, August lhe deu mais um pouco de sangue, o bebe parecia necessitar daquilo para viver, igual um recem criado, o bebe então chorou finalmente.

– A criança nasceu… – Por um momento August quase fala que ela estava viva, mas ele não sabia se esse seria o termo correto para se empregar em um bebê vampiro, de qualquer forma ele falava aliviado foi então que ele reparou que era uma garotinha – É uma menina e ela está bem.

August se virou para Henry, pegando a garota no colo e levando até ele, a garota tinha sobrevivido e aquilo lhe era um alivio.

Henry segurou a pequena menina em seu colo e olha para ela com olhos frios. Ela parecia perfeita, embora muito pálida e pequena. 

– Uma fêmea…

Henry disse engolindo seco, não era uma femea que ele esperava, esperava que o primeiro fosse um belo garoto para que ele tivesse finalmente seu herdeiro, porém era ainda uma vampira, não era uma mulher qualquer, ela era perfeita e é forte. Então em seus olhos um traço de esperança e ele sorri.

– Vi, vini, vice! – disse sorrindo antes de morder o pulso e dar à pequena criatura em seus braços seu sangue que parou de chorar bebendo o sangue de Henry – August, tire esse ser decrépito do meus domínios. Jogue-a no rio o quanto antes e me traga roupas apropriadas para a primeira vampira pura, minha vitória, minha Victória… 

Ao dizer isso Henry saiu da sala com o bebe no colo, August olhou para a cama onde Eleonor estava, ela estava morta, podia-se notar, ele foi até a cama e pegando o lençol que estava na cama o enrolou no corpo dela cubrindo-a, aquela era apenas mais uma a morrer pelos propositos de Henry, a diferença é que ela tinha conseguido dar a luz a uma criança e assim como havia feito diversas vezes, Henry deu um fim aquele corpo.

E foi assim que eu nasci, Victoria Shadow, a primeira da minha especie, uma vampira de nascença, o primeiro sucesso de Henry depois de 30 anos de tentiva, já nasci matando uma pessoa, minha mãe, mas aquela foi a primeira de muitas mortes que ocorreram por minha causa ou que eu causei, afinal eu nasci para ser uma caçadora, uma assassina, minha vida já tinha sido traçada antes mesmo de eu ser concebida.

Anúncios