Arquivo da categoria ‘Livros’

O parceiro do dia é o blog Changeling Tales, o blog é da minha amiga Joana, ele conta com posts em inglês e em português, é um blog sobre o livro dela, abaixo segue o link da pagina inicial do blog falando melhor sobre ele.

O que é que se esconde nas sombras que os humanos de todo o mundo tanto temem? Muitos dizem que é o desconhecido, mas será que é mesmo? Você pode provar que as criaturas que vivem principalmente em nossos sonhos mais escuros não existem? Eu não posso. Na verdade, prefiro acreditar que eles existem, pois isso talvez signifique que todas as criaturas de luz também existem.

Aly é uma garota normal, ou tão normal quanto ela possa ser e, como qualquer pessoa viva, é suscetível a erros, e um deles a leva a descobrir que o que pensa que é apenas sua imaginação não é exatamente isso.

Primeiro, ela cai em um túnel escuro de sua consciência e realidade, incapaz de distinguir o que é real ou não aos olhos de quase todos ao seu redor. Quase todos.

Seu tio finalmente a encontra, e assim começa a ajudá-la a entender o que está acontecendo, uma vez que ele é agora a única pessoa que sabe como ela se sente e é realmente capaz de se relacionar com ela.

A partir daí, eles viajam através de muitos perigos para encontrar sua “alma”, seu tudo.

Este blog é um livro de contos sobre uma menina que encontra novas e estranhas criaturas que muitas pessoas nunca ouviram falar. Junto com a personagem você vai descobrir o que são e o que eles são capazes de fazer.

Mas não se preocupe, este não vai ser mais um livro de vampiro e/ou lobisomem. Eu mostrarei uma perspectiva completamente diferente sobre seres sobrenaturais. Sinta-se à vontade para comentar sobre os capítulos ou entrar em contato comigo a qualquer momento caso queira saber mais sobre o assunto.

Anúncios

Para o bem ou para o mal, a mente humana é capaz de realizar os mais notáveis feitos; o livre arbítrio é sua arma mais perigosa. Assim, o que faz com que uma pessoa se volte para o crime? Quais mecanismos são acionados quando surge o desejo – ou a necessidade – de fazer algo imoral, amoral, ilegal? Quando a alma é o campo de batalha entre a ânsia, o medo e a culpa, o resultado é imprevisível. Em Jogos Criminais, as verdades da natureza humana serão expostas sob a ótica de uma máfi de escritores disposta a criar o crime perfeito.

Para quem é de São Paulo, já marquem na agenda, dia 15 de Janeiro de 2011, de 14h às 18h, lançamento do livro Jogos Criminais, um livro com contos policiais escrito por diversos autores, um deles é um grande amigo meu, é o Humberto Raposa

O lançamento será feito na Biblioteca Viriato Corrêa o endereço de lá é Rua Sena Madureira, 298, Vila Mariana, São Paulo, SP, a programação do evento conta com uma confraternização entre os autores, Entrevista com o jornalista Sérgio Pereira Couto, responsável pela organização dos contos; Leitura dramática pela atriz Cristiana Gimenes que lerá cinco contos dos livros e Coquel de lançamento com direito a sessão de autógrafos. Um ótimo programa de final de semana que quem mora em SP não poderá perder.

Como eu disse nesse Meme que a Lee me mandou,eu já fui meio que sequestrada uma vez, meio que sequestrada porque minha mãe conseguiu me recuperar antes do sequestro ser finalizado, logico que para isso ela armou um pequeno escandalo que a possibilitou de conseguir informações da onde eu estava, mas vou explicar isso melhor.

Minha avó mora em Copacabana, bem próximo a praia, na verdade quem mora em Copacabana mora perto da praia, aquele bairro é um ovo e tudo é perto, principalmente a praia que pega o bairro todo, sério eu vivi em Copacabana e até hoje eu não sei direito onde termina Copacabana e começa o Leme, ou onde começa o Arpoador que seria na verdade um sub-bairro de Ipanema. Mas voltando ao assunto, por minha avó morar lá eu sempre ia para lá final de semana e a gente ia para a praia, (sim eu continuo tendo um bronzeado ao estilo Gasparzinho mesmo tendo ido para a praia muitas vezes quando criança) e foi na praia de Copacabana que eu fui sequestrada.

Eu não me lembro direito como foi, eu tinha cerca de 1 ano na época, algo assim, mas minha mãe me conta que eu estava brincando na beira da agua com a minha irmã e o meu avô vigiando a gente, parece que meu avô foi levar a minha irmã na agua para se molhar e pediu para eu ficar ali e quando ele voltou eu não estava mais, ele ficou branco e foi até a minha mãe para saber se eu tinha ido até ela, foi aí que tudo começou. Entendam, minha mãe é uma pessoa fina, educada, essas coisas, mas isso até mexerem com as filhas dela, nesse momento ela desce do salto e arma barraco mesmo.

Minha mãe começou a me chamar pela praia, falando para todos que eu havia me perdido, ela e meu avô começaram a procurar por mim, minha irmã ficou com a minha avó provavelmente, na época as pessoas eram gentis então os homens começaram a se levantar me procurando também, deixando as familias, as namoradas para me procurarem, os sorveteiros pararam de gritar “Sorvete, sorvete” para gritar “Karina, Karina”, imagino a cara das pessoas ao escutarem um homem vendendo Karina’s por aí.

Enfim, foi algo meio estilo filme saca? Todos gritavam pelo meu nome em plena praia de Copacabana, eu fiquei famosa ainda criancinha… Chique não é mesmo? Mas voltando, com a praia de Copacabana toda a minha procura eu uma hora fui achada, eu estava no ombro de um cara alto e escuro, como eu era bem branquinha… Er… Eu ainda sou branquinha, mas como não sou Michael Jackson e já era uma Gasparzinha naquela época, isso deve ter chamado atenção e por isso indicaram para a minha mãe onde eu estava.

A minha mãe com uma velocidade que colocaria inveja no The Flash, conseguiu chegar onde apontaram para ela e assim que ela me viu ela gritou meu nome, eu virei e o cara na mesma hora me colocou no chão e saiu correndo, conseguido alcançar a velocidade da luz. Quando eu fui até a minha mãe e ela disse que eu tinha me perdido e eu cismava em dizer que não, que eu estava procurando a minha irmã, provavelmente eu comecei a procurar a minha irmã e o homem disse que me ajudaria e me levou, se ele tivesse bem intencionado a me ajudar mesmo, ele não teria me levado para quadras de distancia, afinal se uma criança se perde ele não poderá andar tanto, pelo menos uma criança de 1 ano não andaria tanto, se ele tivesse bem intencionado também teria ficado pela praia e não saido dela comigo e por fim se tivesse bem intencionado não teria corrido tanto quando minha mãe apareceu.

Ganhei fama naquele dia, durante meses provavelmente eu ia para praia e todos me conheciam, todos falavam comigo coisas como “Não vai mais se perder hein…” “Vai deixar sua mãe maluca…”

Eu nunca tinha parado para pensar quanta sorte eu tenho de minha mãe ter sido barraqueira e colocado as pessoas a minha procura, a sorte de terem me visto e a sorte de ela me achar antes de eu me perder totalmente, quero dizer, hoje tudo poderia ter sido diferente, eu poderia ter morrido, ainda mais que uma semana antes uma garotinha da minha idade tinha sido encontrada morta e estuprada no Flamengo, aquela garotinha poderia ter sido eu, eu poderia ter sido vendida e sei lá… Eu gosto de lembrar para agradecer de ter tanta sorte, de agradecer por ter uma mãe barraqueira e pensar que as vezes sua vida muda totalmente por algo simples, se minha mãe tivesse apenas chorado, se meu avô tivesse demorado um pouco mais para sentir a minha falta… Eu talvez não estivesse escrevendo aqui… É engraçado essa coisa de destino né?

Ultimamente quando vou na livraria, quando eu vou pegar um livro geralmente leio nas indicações do livro “É o livro que autor X está lendo” eu realmente não entendo esse tipo de indicação, o fato de um autor ler determinado livro não vai fazer com que eu leia aquele livro, primeiro porque o fato de um autor ler um livro não quer dizer que ele vá gostar, segundo porque só porque eu gosto do que aquele autor escreve, não quer dizer que eu vá gostar do que ele leia.

Eu sei que é bom para as vendas quando algum autor indica um livro, mas algo como “É o livro que fulano está lendo”, não é bem uma indicação, quando você lê no livro algo como “Surpreendente, fabuloso” ou “Um livro estigante e cheio de ação” aí sim é uma boa recomendação, diz algo sobre o livro e o que podemos esperar do livro.

O fato de meu autor favorito ter lido determinado livro, não será o unico fator que me fará ler esse livro, eu não vou na livraria procurando os livros que meus atores favoritos lêem, eu não lerei um livro apenas por estar escrito na capa “É o livro que Marion Zimmer Bradley está lendo”, principalmente porque se eu ler isso num livro que acabou de ser lançado eu vou me surpreender por alguem que morreu em 1999 ainda estar lendo livros.

Mas é sério, esse tipo de frase em um livro talvez só chame a atenção de crianças de 10 anos que ainda estão formando sua personalidade se baseando nos seus ídolos, ou também em pessoas sem personalidade.

Atualmente eu tenho lido em muitos livros “É o livro que Stephenie Meyer está lendo”, eu tenho que me segurar para não julgar o livro pela capa, pois para mim Stephenie Meyer não é referência para uma boa leitura, se ela não sabe nem escrever um livro direito, quem é ela para ser um ponto de referência de livro bom para mim?

Alias devo confessar que a Stephenie é uma leitora assidua, pois o número de livros que eu vi falando que ela está lendo, realmente me surpreende, porém uma pergunta que não quer calar é, se ela lê tantos livros assim, porque ela nunca leu um livro sobre vampiros antes de escrever sobre eles? (Sim, ela disse isso em uma entrevista). Mas bem, não é só porque fala que ela leu determinado livro que eu vou deixar de ler o livro, porque talvez ela tenha bom gosto para leituras, já que ela leu o livro “Jogos Vorazes” que eu considerei muito bom.

Porém no domingo eu percebi o quão virgem e solteira deve ser essa mulher, eu fui na Saraiva e descobri que tinha que gastar os pontos do meu cartão ou eles iriam se inspirar, como não tinha nenhum livro que eu queria ler de verdade, eu catei um livro qualquer, me lembrei então que uma amiga me indicou “Cidade dos Ossos” e ao ler no verso dele a história, achei que devia ser legal e resolvi compra-lo. Enquanto ia para casa fui dar uma lida na capa do livro e encontrei a seguinte frase:

“Queridos Edward e Jacob,
Adoro vocês dois, mas vou passar o fim de semana com Jace.
Desculpe! Com amor, Stephenie Meyer (autora de Crepúsculo)”

Hã? Como assim? Ela escreve bilhetes para os personagens dela? Gente, é sério, essa mulher tem sérios problemas, se essa foi a forma dela promover o livro “Cidade dos Ossos” isso foi totalmente fail, eu juro que fiquei enjoada ao ler isso, eu só pretendo ler o livro, porque a história realmente parece ser boa, mas o que a autora do livro pensou ao colocar isso no livro dela?

Stephenie Meyer, você é uma escritora, aposto que tem bem mais imaginação de escrever algo sobre um livro do que isso, a gente sabe que você tem mais imaginação, afinal fez os vampiros brilharem… Isso foi algo totalmente virgem, idiota, solitário, eu juro que quando li isso imaginei a carinha de “Forever Alone”, afinal aguem que escreve bilhetinhos para seus personagens é extremamente solitário.

Mas ok, depois desse momento de total revolta a Stephenie Meyer, irei voltar ao assunto principal, que é “É o livro que alguem está lendo”, vocês já sabem, quando lançarem um livro, é só enviar copias para pessoas famosas, implorarem para elas lerem e colocar na capa do livro que aquelas pessoas estão lendo. Eu já sei o que vou fazer quando lançar o meu livro, vou da-lo de presente para a minha mãe e colocar na capa “É o livro que minha mãe está lendo” e esperar as glórias dessa indicação.

É possivel ver pelo meu nick sobre os meus gosto, Harry Potter e Morgana Le Fay, por isso o Mione Le Fay, eu além de adorar Harry Potter, sou fascinada pela cultura dos antigos Celtas, chegando a fazer um curso de Reconstitucionismo Celta a alguns anos e sou extremamente chata quando vejo filmes ou leio livros que relatam sobre a cultura Celta, quero todos os detalhes corretos, quando falam de Morgana então… Sério, não queiram discutir esse tipo de assunto comigo, vai terminar com eu contando uma longa historia e você me pedindo pelo amor de tudo que é sagrado que eu pare.

Baseado nisso você pode saber como eu me reviro de dor interior nas maiorias das historias Arthurianas, principalmente as que retratam Morgana, que nessas historias é vista como irmã de Arthur, como uma pessoa má, então para a minha felicidade a Marion Zimmer Bradley mostrou o outro lado da moeda, mostrou o porque Morgana fez o que fez, nem preciso dizer de como eu fiquei feliz lendo seus livros “As Brumas de Avalon” não é mesmo?

Porém confesso que das historias de Marion sobre os Celtas “As Brumas de Avalon” é o que eu menos gosto, pois seu conteudo historico é muito pobre, tendo enormes erros para quem tem problemas com erros historicos sobre os Celtas e quando eu digo erros, não estou falando sobre os personagens e sim sobre celebrações e costumes.

Diz a lenda que quando Marion escreveu “As Brumas de Avalon” ela ainda não tinha tanto conhecimento sobre os costumes Celtas, por isso que o livro é um pouco pobre em relação a isso, mas uma coisa que não sei se todos sabem é que depois de “As Brumas de Avalon”, Marion escreveu alguns livros que iriam contar o que aconteceu antes de Morgana, por isso foi escrito A Senhora de Avalon, A Sacerdotisa de Avalon e A Casa da Floresta.

A Casa da Floresta teria que ser o primeiro livro a ser lido dessa coleção, pois ele conta o surgimento das linhas Pendragon e Le Fay e conta também o porque as Sacerdotisas foram parar em Avalon, acontece que quando Marion escreveu A Casa da Floresta, reza a lenda, de que ela já tinha um conhecimento maior sobre os Celtas e seus costumes, então apesar de ter muita coisa contra a historia real dos Celtas desses livros que falam sobre Avalon, esse seria o mais correto, bem, como eu disse essa parte da lenda sobre o conhecimento dela sobre os celtas ter aumentado, eu não tenho certeza se é certo, mas que realmente A Casa da Floresta tem menos erros historicos do que As Brumas de Avalon, isso eu garanto.

A Casa da Floresta se tornou então para mim o melhor livro dessa coleção dela, mesmo que Morgana não esteja presente, mas é o tipo de livro que eu estava quase ganhando da biblioteca por pega-lo tantas vezes, posso afirmar que eu li mais esse livro do que qualquer outro, no cartão da biblioteca só tinha meu nome praticamente nesse livro, também, de certa forma eu não dava tempo para outras pessoas o pegarem… Mas depois de muito torrar o saco dos meus amigos, eu finalmente o ganhei e se livro gastasse a cada leitura, ele estava reduzido a pó.

O livro é muito bom e tem um final totalmente inesperado, para quem gosta de ser surpreendido, esse é o livro certo, porém o que complica, principalmente para aqueles que não tem tanto conhecimento historico é os lugares e nomes, porém no começo do livro ele tem uma lista com o nome de todos os personagens do livr e uma linha de explicação sobre eles para facilitar a leitura, além das divindades e os lugares, é um livro que eu recomendo, vale realmente a pena ler. Segue abaixo a sinopse do livro.

Dentro dos muros da Casa da Floresta, numa remota região da Bretanha, um círculo secreto de sacerdotisas Druidas preserva os antigos rituais de aprendizagem, cura e magia, contra o Império Romano. Na sua vizinhança, a jovem Eilan, nascida numa família impregnada pelos conhecimentos dos Druidas, amadurece em direcção à sua plena condição de mulher e ao florescimento duma força interior com a qual dificilmente se atreve a sonhar. Ouve, já, o chamamento da Grande Deusa – e será ela cerimonialmente escolhida como a nova grã-sacerdotisa. Mas antes, Eilan ouve outra voz – a do seu amor pelo jovem romano Gaius Macellius, cuja missão é submeter a sua terra nativa e todos os seus costumes. A guerra que devasta o íntimo de Eilan, que tem de renunciar ao seu amado em favor do seu destino sagrado, espelha a turbulência da sua época… E será apenas ela a poder encontrar o caminho para fora da encruzilhada na qual a sua fé a colocou.

O que fazer se encontrar uma Mortalha Viva? E se uma Acromântula aparecer? Se você não sabe as respostas sobre essas perguntas é melhor correr para ter seu Animais Fantásticos & Onde Habitam.

Animais

“Animais Fantásticos e Onde Habitam” é um guia essencial em todas as casas bruxas, afinal, todos precisam saber quais animais são perigosos e como combatê-los, se possível. Nesse livro nós temos uma explicação a respeito dos animais ocultos, podemos entender melhor a percepção dos trouxas quanto a esses animais, e descobrimos a importância de se estudar a Magizoologia. Além de, é claro, uma lista com informações de 74 animais fantásticos, com declarações de bruxos que se encontraram com os mais perigoso. Todos, é claro, com uma classificação feita pelo Ministério da Magia, em que mostra o perigo que cada um representa a quaisquer seres humanos.

Bem, esse livro pode estar mais perto de você do que acha, para ganhar esse guia essencial no mundo bruxo basta participar da promoção que vai lhe dar um Kit de Harry Potter, esse kit você terá:

1 livro “Animais Fantásticos & Onde Habitam.”
1 marcador de página com tema de Harry Potter
5 imãs de Harry Potter.

Para participar da promoção basta ler com atenção as regras abaixo:

1 – Todos os comentários no blog feitos estarão participando, não se tem limites para comentários, é valido comentário para qualquer post e pode comentar quantas vezes quiser.

2 – Você pode participar também pelo twitter, basta seguir @mionelefay e digitar:
#promocao Eu quero ganhar o Kit Harry Potter @mionelefay http://ow.ly/37Sz8
Você pode participar quantos vezes quiser dessa forma digitando a frase acima quantas vezes quiser.

3 – Só serão válidos para pessoas que possuem endereço no Brasil.

4 – A promoção será feita até o dia 26 de Novembro, então só estarão valendo os comentários e os tweets feitos até essa data.

5 – Se o sorteado for através do Twitter, na data do sorteio ele tem que estar seguindo o @mionelefay ou será desclassificado.

Duvidas podem ser feitos no e-mail: mionephoenix@gmail.com

Galera, estou escrevendo um livro com a ajuda da Lee e da Flávia, o livro é sobre vampiros, mas calma, eles ainda não brilham no sol, eles morrem no sol, bem como não tenho editora ainda, eu vou liberar para vocês algumas partes, essa é uma parte do primeiro capitulo, o nome “Por trás das Sombras” é provisório, eu ainda não pensei em um nome, confesso que minha grande dificuldade é pensar em nomes de personagens e nomes de livros.

Bem, espero que gostem, comentem abaixo sobre o que acharam, se gostaram ou não, o que estão achando, para que eu possa melhora-lo cada vez mais.

Ah, se tiver algum erro de português ou escrita, peço desculpas, mas a pessoa que eu pedi para ser minha Beta não quer mais fazer, então estou procurando alguem que saiba bem português para me ajudar, pois eu tenho uma grande dificuldade de voltar a ler o livro para achar erros de digitação, porque eu sempre faço uma leitura dinâmica e passo batido alguns erros. Se alguem quiser se candidatar para me ajudar nessa correção é só falar nos comentários

Capitulo I

Eram quase 00h quando Eleanor começou a sentir fortes dores, August e os demais medicos que a acompanhavam foram chamados rapidamente, desde que Elanor ficou gravida ela tinha toda atenção necessária, principalmente após passar do quarto mes de gravidez tendo o seu bebe ainda vivo. August foi o mais depressa que pode para o quarto, ao chegar pode perceber que as dores na verdade, eram contrações, Eleanor estava em trabalho de parto e aquilo parecia consumi-la. August logo percebeu que talvez não fosse possivel salvar o bebe e Eleanor e apesar de ele conhecer os planos de Henry, ele preferia saber o que seu mestre escolheria, salvar, por isso se apressou pelo castelo a procura de Henry.

Henry em seu escritorio pensava sobre a melhor forma de encurralar a matilha de “cães”, como ele descrevia os lobisomens, que importunavam seu castelo, ele escuta uma batida apressada na porta e em seguida a entrada de August que mostrava em seu rosto uma grande preocupação, sua fala rapida indicava que algo estava acontecendo

– Milode, houveram complicações e acho que não conseguirei salvar a mãe e o bebe, como devo proceder?

Henry na mesma hora se levanta, largando tudo que estava fazendo:

– E o bebe?! Quem liga para Eleanor, o bebe deve sobreviver. August, não penso que tenha entendido a importância dessa criança. Ela é a primeira que sobreviveu por toda a gestação! Deveriam ter me convocado assim que o trabalho de parto se iniciou!

Sem esperar pela resposta de August, Henry quase o atropela e utilizando-se da sua rapidez sobre-humana percorre os corredores do castelo até a câmara onde o parto estava sendo realizado, August vai logo atrás de Henry.

– Dêm mais sangue a ela. August, me dê o punhal mais afiado. Meu rebento nascerá com vida, custe o que custar.

August sabia agora o que deveria ser feito, ele olhou para os outros vampiros que estavam lhe auxiliando e os ordena.

– Segurem-a.

Quatro vampiros se posicionam, segurando Eleanor pelos braços e pelas pernas, Eleanor começa a temer pela sua vida ao se ver sendo segurada pelos vampiros, ela começa a se debater, August olha para outro dos vampiros presentes, que entende o olhar de August e segura o seu tronco. Augusto pega um punhal de prata afiado, e com cuidado começa a cortar a pele de Eleanor, na altura de seu ventre, ele iria tirar aquela criança dali como Henry lhe ordenou.

Eram possivel nos outros comodos do castelo escutar os gritos de Eleanor, August se apressava com a operação, não por Eleanor, mas para salvar a criança, ele não queria imaginar o que ocorreria com ele caso errasse em algo e o bebe morresse. August não soube precisar quanto tempo foi necessário até conseguir abrir todo o ventro de Eleanor, assim que conseguiu uma boa abertura ele colocou a mão la dentro puxando o bebe, nesse momento Eleanor agonizava, apesar de boa a cicatrização dos vampiros, ela estava perdendo muito sangue e a prata utilizada no punhal para corta-la a enfraquecia.

August conseguiu puxar o bebe que a principio parecia morto, ele cortou o cordão umbilical e levou o bebe para o outro lado da sala, ele não sabia como agir, aquele era o primeiro bebe vampiro ele não sabia como se cuidava de um, ele agiu inicialmente como se faz um parto normal e limpou o bebe, mas o mesmo parecia não estar vivo.

– Eu preciso de sangue.

Ele tentaria todos os seus recursos, e assim que lhe entregaram uma bolsa de sangue ele derramou um pouco de sangue na boca do bebe, August olhava apreensivo quando viu o bebe mexer a boca, August lhe deu mais um pouco de sangue, o bebe parecia necessitar daquilo para viver, igual um recem criado, o bebe então chorou finalmente.

– A criança nasceu… – Por um momento August quase fala que ela estava viva, mas ele não sabia se esse seria o termo correto para se empregar em um bebê vampiro, de qualquer forma ele falava aliviado foi então que ele reparou que era uma garotinha – É uma menina e ela está bem.

August se virou para Henry, pegando a garota no colo e levando até ele, a garota tinha sobrevivido e aquilo lhe era um alivio.

Henry segurou a pequena menina em seu colo e olha para ela com olhos frios. Ela parecia perfeita, embora muito pálida e pequena. 

– Uma fêmea…

Henry disse engolindo seco, não era uma femea que ele esperava, esperava que o primeiro fosse um belo garoto para que ele tivesse finalmente seu herdeiro, porém era ainda uma vampira, não era uma mulher qualquer, ela era perfeita e é forte. Então em seus olhos um traço de esperança e ele sorri.

– Vi, vini, vice! – disse sorrindo antes de morder o pulso e dar à pequena criatura em seus braços seu sangue que parou de chorar bebendo o sangue de Henry – August, tire esse ser decrépito do meus domínios. Jogue-a no rio o quanto antes e me traga roupas apropriadas para a primeira vampira pura, minha vitória, minha Victória… 

Ao dizer isso Henry saiu da sala com o bebe no colo, August olhou para a cama onde Eleonor estava, ela estava morta, podia-se notar, ele foi até a cama e pegando o lençol que estava na cama o enrolou no corpo dela cubrindo-a, aquela era apenas mais uma a morrer pelos propositos de Henry, a diferença é que ela tinha conseguido dar a luz a uma criança e assim como havia feito diversas vezes, Henry deu um fim aquele corpo.

E foi assim que eu nasci, Victoria Shadow, a primeira da minha especie, uma vampira de nascença, o primeiro sucesso de Henry depois de 30 anos de tentiva, já nasci matando uma pessoa, minha mãe, mas aquela foi a primeira de muitas mortes que ocorreram por minha causa ou que eu causei, afinal eu nasci para ser uma caçadora, uma assassina, minha vida já tinha sido traçada antes mesmo de eu ser concebida.